Skip navigation

Tag Archives: Robôs

O porquê de  que nunca veremos mechas tomarem o lugar dos tanques nos campos de batalha.

 

Primeiro, vamos entender quais são as diferenças e similaridades entre um tanque convencional nos dias de hoje, como o M1 Abrams, e um mecha pseudo-realista, como um desses de Front Mission, além de conhecer o seu papel no campo de batalha.

Tanques oferecem suporte para a infantaria, servindo de ponta-de-lança para as forças secundárias e menos capaz de se proteger em combate. Bem armados e protegidos, tanques possuem poder de fogo para destruir fortificações improvisadas e interromper ataques de RPGs (sem trocadilho) e blindados menores. Para um mecha conseguir tomar o lugar de um tanque, ele precisaria ter poder de fogo, blindagem adequada e mobilidade regular.

Mechas possuem duas pernas. Isso implica em seis coisas:

  1. Negativo. Basta uma perna ser destruída por um ataque de RPG ou explosivo improvisado para que o mecha seja inutilizado. Vale lembrar que uma perna robótica inteira vale MAIS, monetariamente falando, que uma esteira de tanque, e que, para o inimigo, o valor tático é o mesmo.
  2. Negativo. A pressão exercida pelos pés no solo é muito maior que pela esteira, já que a área da sola do pé é menor. Isto se torna um problema para atravessar lamaçais e outros terrenos difíceis, hipótese que deve ser levada em conta durante uma guerra.
  3. Negativo. Um mecha é mais instável. Bastaria um cabo de aço fixamente preso no meio do caminho para que ele se desequilibrasse e caísse, se tornando alvos de ataques e perdendo um precioso tempo para se defender, isto é, se ele for capaz de se levantar!
  4. Negativo. A velocidade de locomoção de um mecha, mesmo em uma estrada, seria inferior ao deslocamento de um tanque. Uma saída, ao menos para terrenos regulares, seria instalar “rodas” nos pés e ativar um motor, como num carro.
  5. Negativo. Por ter pernas assim como um soldado, o mecha acaba tendo uma área vertical muito maior que um tanque. É basicamente o mesmo princípio para um soldado ficar deitado quando está num tiroteio: Isso reduz as chances de ser acertado. Sim, eu sei que ele pode se abaixar, mas quando um tanque e um mecha são pegos de surpresa, um deles já está na posição ideal, e não é o mecha…
  6. Positivo. Finalmente, algo bom para o mecha. O deslocamento em duas pernas permitiria que ele pudesse andar sobre terreno acidentado e inclinado com uma maior facilidade  que um tanque.

 

Possuir dois braços é uma característica dos mechas, o que implica em:

  1. Positivo. Possuir braços com manipuladores abre caminho para o “equipamento de mecha”, isto é, armas de tamanho apropriado para um soldado de aço. Com isso, é possível trocar de arma com outro mecha caído, assim como um soldado faz.
  2. Negativo. O problema é que basta um explosivo detonar no local certo para render um braço inútil, então as armas deveriam ser instaladas no tronco, que é mais resistente, nos fazendo questionar então sobre a real utilidade de braços mecanizados.
  3. Positivo. Manipuladores e braços permitem a um mecha sozinho realizar tarefas que poderiam precisar de vários soldados ou outro veículos, como remoção de detritos.

 

Quanto à tripulação, um mecha que queira não ser inadequadamente grande deve possuir, no máximo, dois tripulantes. Tanques geralmente possuem três: O piloto, o gunner e o comandante. Outro problema é como manter o senso de direção do piloto, já que é muito fácil ser atordoado por uma explosão e cair. Ghost in the Shell, salvo engano, mostra que os pilotos devem conectar um cabo ao cérebro para adquirir o senso de equilíbrio do mecha como um todo.

No final das contas, um mecha seria muito provavelmente mais caro que um tanque, cumpriria o mesmo papel, embora de maneira pior, e seria destruído por um A-10 da mesma maneira que tanques são hoje em dia.

Anúncios

Big DogDesenvolvido pela Boston Dynamics para a Defense Advanced Research Project Agency, DARPA, o Big Dog é essencialmente um robô de carga para facilitar a vida dos soldados em campos de batalha. Movido à gasolina, tem um metro de comprimento por 0,7 de altura e pesa 75 quilos. Segundo a fabricante, o Big Dog anda a 6,5 km/h, consegue subir inclinações de até 35 graus enquanto carrega até 155 quilos em equipamentos. Esses feitos, porém, são ofuscados pelo barulho incômodo que ele produz ao andar.

Aqui, um vídeo do Big Dog.

 

Big Dog
Medium Robot
Dados de Vida/Hit Dice: 1d10+10, hp 15
Iniciativa/Initiative: +0
Deslocamento/Speed: 30 ft.
Defesa/Defense: 13, toque/touch 13, surpreso/flat-footed 10 (+0 Dex, +3 natural)
Base Attack/Grapple: +0/+2
Ataque/Attack: +2 corporal/melee (1d6+2, pancada/slam)
Ataque Total/Full Attack: +2 corporal/melee (1d6+2, pancada/slam)
Espaço/Alcance/Fighting Space/Reach: 5 ft. by 5 ft./5 ft. (1,5m por 1,5m/1,5m)
Imunidades: Veneno, sono, paralisia, atordoamento, doenças, efeitos necromânticos e efeitos que requiram teste de Fortitude, a menos que funcionem em objetos.
Resistências/Saves: Fort +0, Ref +0, Von/Will +0
Pontos de Ação/Action Points: 0
Reputação/Reputation: +0
Alianças/Allegiances: none
Atributos/Abilities: Str/For 15, Dex/Des 10, Con -, Int -, Wis/Sab 10, Cha/Car 1
Feats/Talentos: Nenhum
Skills/Perícias: Nenhuma
Possessões/Possessions: None
Nível de Desafio/Challenge Rating: 1
Progressão/Advancement: None

Para finalizar, isso é o que acontece quando um engenheiro mecatrônico resolve se divertir no trabalho…