Skip navigation

Tag Archives: Ordens Arcanas

A minha periódica ausência no blog não tem um motivo bem definido, mas posso dizer que noticiar tanto D&D 4 me deixou desanimado. Percebi que estive muito preso ao sistema 3.5, por isso estou visando a idéia em si – livre de regras – e imaginar. Meu próprio sistema, cenários medievais fantásticos e futuristas distópicos…

Estou pensando em refinar a idéia de um cenário europeu com todos os elementos da fantasia: Ogros, trolls, grifos, dragões, fadas, magia. Claro que não teria nada de criaturas escancaradas no meio de centro urbanos, seria algo muito mais sútil e oculto da visão geral. Pode-se dizer que há influência de WoD no meio disto tudo, tornando a europa medieval um lugar muito mais perigoso do que ignorantes aldeões podem imaginar.

Antes de tudo é necessário explicar a vida dos magos. As restrições são duras:

  • Talentos metamágicos restritos. Uma ordem pode conhecer “Extend Spell” mas não “Maximize Spell”, e mesmo assim só ensinaria aos membros graduados seus segredos.
  • Magias restritas. Mesma explicação dos talentos. Aprender uma magia levaria um tempo em meses igual ao círculo dela. Exemplo: Aprender Desintegrar levaria seis meses.
  • Assim como todas as outras classes, a maioria das CdPs seria restrita. Um aspirante à Mystic Theurge deve receber os ensinamentos dos Silenciosos antes de poder pegar níveis nesta classe. Apenas classes como Arquimago e a Specialist Wizard (se não me falha o nome) seriam liberadas para qualquer um.

Como sua magia é aprendida pelo estudo, eles são obcecados pelo segredos arcanos que os feiticeiros possuem, visando unir a magia inerente destes com o conhecimento elaborado dos próprios magos. Assim sendo, eles em sua maioria caçam feiticeiros e bruxos.
Eles se organizam em ordens justamente pela grande dificuldade de aprendizagem, bem como pela proteção que a organização tem pelos seus membros e eles por ela. A hierarquia é em geral rígida, e a resposta para traições é sempre implacável. O acesso às magias mais perigosas e importantes é delegado apenas aos altos membros, o que cria uma enorme rede de politicagem dentro das ordens. Algumas poucas ordens permitem que não apenas magos participem delas, mas também guerreiros, clérigos e feiticeiros e outros indivíduos.
Constantemente acusados pelos clérigos e seus inquisidores, os magos evitam ao máximo entrar em confronto direito com a Igreja e seus seguidores. O clero por sua vez só se interessa em pressionar magos se isso lhe convier de alguma maneira, seja politicamente ou financeiramente.

De uma maneira resumida descreverei dois exemplos de ordens, descrevendo também as classes de prestígio da edição 3.5 que conseguem captar bem o espírito delas. Ressalto que as ordens arcanas são grandes e frequentemente entram em contato com aqueles que possuem filosofia semelhante. Os Filhos do Aesir por exemplo podem vir a tolerar clérigos que partilhem de sua visão romântica e valorosa da batalha, mas o clérigo nunca alcançará as posições que um mago ou guerreiro chegar a ter.

Círculo de Fogo: Magos que ao invés de caçar feiticeiros e torturá-los em experimentos decidiram treinar uma nova leva de artistas arcanos.
Acesso a maioria das magias destrutivas de evocação.
Classes Permitidas: Mago, Feiticeiro, Warlock
Classe Privilegiada: Feiticeiro
Classe de Prestígio: Ultimate Magus
Região: Península Ibérica, península Itálica, sul da França.

Filhos dos Aesir: Magos que dedicaram os seus estudos arcanos junto com o treinamento de armas como a espada.
Classes Permitidas: Mago, Guerreiro
Classes Toleradas: Bárbaro, Clérigo
Classe Privilegiada: Mago
Classe de Prestígio: Eldritch Knight, Spellsword
Região: Península Escandinava

Os Silenciosos: Organização de magos que discretamente se mantêm neutra e oculta.
Classes Permitidas: Mago, Clérigo
Classe Privilegiada: As duas
Classe de Prestígio: Mystic Theurge
Região: Originalmente Império Bizantino, depois Sacro Império Germânico, França, Itália

Sementes de Dagda: Reverenciadores da natureza em geral.
Classes Permitidas: Mago, Druida, Clérigo (Natureza)
Classes Toleradas: Feiticeiro, Bárbaro, Ranger
Classe Privilegiada: Druida
Classe de Prestígio: Arcane Hierophant, Geomancer

Por isso preciso de pessoas que cursem História!

Como prometido, aqui vai a segunda parte sobre os Silenciosos, um grupo fictício de magos religiosos ambientados na Europa.
Aviso que este material sofrerá alterações e melhoramentos posteriores, além de estar parcialmente completo. Colocarei a descrição do cargo de Ancião Iluminado e Guardião Oculto, bem como a opinião dos silenciosos quanto aos feiticeiros, outras ordens arcanas e a Igreja. Não descrevi como o processo de promoção ocorre, por enquanto ficando em aberto para os mestres.

Dogma: Deus não tem rosto nem religião, é a entidade criadora de tudo. Humanos são sua maior criação e qualquer tentativa de algum deles criar uma igreja significa abandonar O Criador. Deus é magia e magia é Deus. A magia arcana é uma outra ferramenta divina para dominar os seres infernais e seu uso deve ser acompanhado de extremas precauções para que as criaturas dos planos inferiores não corrompam os usuários dela com falsos pactos.

Conceituação: A hierarquia dentro da organização não favorece apenas magos, mas também clérigos. Subir na pirâmide requer não apenas inteligência e experiência de vida, como também pede um pequeno jogo de política. Aqui estão as fórmulas para calcular o respeito de seu personagem na ordem.

Magos:
A maioria dos silenciosos são magos, sejam eles especializados ou não. Os principais cargos estão abertos apenas para aqueles que utilizam magia arcana, e este acaba sendo o principal caminho dos iniciados.
Conceituação: 3/4 do nível de conjurador arcano + mod. de int. + mod. de car.
• Ao ganhar um nível de arquimago, o personagem recebe +5 na sua conceituação.

Clérigos:
O clero da congregação é responsável pelos conselhos dados aos líderes na hora de decisões importantes, bem como pelo zelo dos rituais sagrados e pela política com o mundo exterior.
Conceituação: 1/2 do nível de conjurador divino + mod. de sab. + mod. de car.
• Ao ganhar um nível de hierofante, personagem recebe +3 na sua conceituação.

Teurgistas Místicos:
A meta de todo iniciado é dar passos espirituais e conseguir a iluminação necessária para mesclar magias arcanas e divinas. Os poucos teurgistas místicos são muitíssimo respeitados pelos outros membros e podem ocupar qualquer posto dentro da hierarquia da ordem, embora passem a maior parte de seu tempo meditando dentro de templos com incensos e velas.
Conceituação: 1/2 do nível conjurador arcano + 1/2 do nível de conjurador divino + mod. de int. + mod. de sab. + mod. de car.
• Teurgistas místicos também adicionam os bônus na conceituação provindo de arquimago e hierofante.

Hierarquia: Os silenciosos possuem uma organização interna que a princípio une magos e clérigos, para depois separar e apenas no topo dela unir novamente as duas trilhas de magia.

Acólitos: Os magos e clérigos com menor conceituação formam a base da ordem dos silenciosos. A tarefa desta camada é principalmente a de pesquisar o refinamento de magias, angariar dinheiro para sustentar toda a organização e estar à par do que ocorre em suas comunidades para informar os Aspectos Menores, além de iniciar mais pessoas.
Atribuições: Doar 15% de sua riqueza total por ano para a ordem e buscar novos iniciados.
Atribuições exclusivas de magos: Dedicar dois meses ininterruptos por ano para estudar novas magias.
Atribuições exclusivas de clérigos: Dedicar dois meses ininterruptos por ano para os rituais sagrados, organizar um culto local.
Direitos de todos: Proteção em caso de necessidade, custo de vida comum (45 po por mês).
Direitos de magos: Acesso à magias restritas, material para estudo gratuito (grimórios).

Aspectos Menores: Em um país ou região existem três líderes com poderes iguais que representam a Cegueira, Surdez e Mudez. Não se sabe quando adotaram estes nomes para os cargos, embora alguns relatos antigos digam que eles estão ligados à questão da ocultação dos silenciosos perante o mundo. De uma forma ou de outra, os Aspectos Menores relatam os assuntos mais importantes aos Aspectos Maiores uma vez ao ano.
Atribuições: Doar 15% de sua riqueza total por ano para a ordem , dedicar três meses ininterruptos por ano para estudar novas magias.
Direitos: Acesso à magias restritas, proteção em caso de necessidade, custo de vida bom (100 po por mês), uma pequena casa em seu nome em algum lugar aleatório, acesso à magias restritas, material para estudo gratuito (grimórios).
Conceituação mínima: 10
Classes permitidas: Magos, teurgistas místicos

Aspectos Maiores: No continente todo existem apenas três líderes máximos com poderes iguais, aos moldes dos Aspectos Menores. Mais secretivos que seus subordinados, a maioria dos Aspectos Maiores adotam apelidos e nomes falsos. As poucas ocasiões na quais eles se reúnem é uma vez a cada ano, e com o restante da ordem apenas uma vez a cada cinco anos.
Atribuições: Doar 15% de sua riqueza total por ano para a ordem, dedicar cinco meses ininterruptos por ano para estudar novas magias.
Direitos: Acesso à magias restritas, proteção em caso de necessidade, custo de vida extravagante (200 po por mês), uma grande casa em seu nome em algum lugar aleatório, material para estudo gratuito (grimórios).
Conceituação mínima: 15
Classes permitidas: Magos, teurgistas místicos

Conselheiros: Clérigos que são os guias espirituais dos Aspectos Maiores, aconselhando e guiando as decisões tomadas. Existem ao todo seis conselheiros que se reúnem uma vez a cada semestre. Nos encontros eles discutem todos os temas importantes relacionados à ordem mas encaminham as decisões para os magos. Eles também são responsáveis pela organização dos Guardiões Ocultos, que caçam os dissidentes e traidores.
Atribuições: Doar 15% de sua riqueza total por ano para a ordem, dedicar cinco meses ininterruptos por ano para os rituais sagrados, organizar os Guardiões Ocultos.
Direitos: Acesso à magias restritas, proteção em caso de necessidade, custo de vida extravagante (200 po por mês), uma grande casa em seu nome em algum lugar aleatório.
Conceituação mínima: 15
Classes permitidas: Clérigos, teurgistas místicos

[Update 04/09/07] Modificado marcador para “Histórias e Contos”

Aqui vai a primeira parte sobre Os Silenciosos, uma ordem fictícia de magos ambientada na Europa. A segunda parte falará mais sobre a hierarquia e as principais figuras dentro da congregação. A terceira por sua vez será dedicada às magias conhecidas e desenvolvidas, bem como os talentos metamágicos criados por eles.

Os Silenciosos

É dito que esta ordem foi criada em entre o século III e IV em Bizâncio, embora a maioria das fontes ache que apenas depois da legalização do cristianismo pelo imperador Constantino é que o grupo tomou alguma consistência maior, e que só a partir daí se pode considerar fundada a irmandade. Crê-se que os primeiros membros da ordem tenham sido altos-clérigos do próprio império bizantino, que à princípio eram secretamente cristãos, mas que depois da oficialização do cristianismo por Teodósio em 391 acabaram por iniciar outros sacerdotes em uma ramificação da própria religião cristã.

Até então os silenciosos apenas eram mais um grupo herege dentro de um império cristão, embora é verdade estivessem ocultando a verdade sobre suas crenças dentro do próprio clero oficial. Tudo mudou por volta do século VII, quando Spyridon, um dos altos-clérigos dos silenciosos, voltou do Egito trazendo consigo um artefato de enorme poder: A Chave de Salomão. Um livro que trazia instruções sobre como invocar espíritos e utilizar os poderes mágicos de demônios em favor do usuário, que acreditava estar perdido para sempre em alguma sarcófago esquecido no deserto. Como Spyridon conseguiu este livro nem mesmo as maiores ordens arcanas da Europa conseguiriam vir a responder séculos mais tarde, embora fosse uma excruciante dúvida que gerava debates e especulações dos maiores magos de seus tempos que resultou em diversas teses, como a de que o próprio Deus personificado na forma de Spyridon havia entregue o livro aos silenciosos para que estes dominassem os seres do outro mundo. A questão é que depois que a Chave de Salomão apareceu, os antes alto-clérigos hereges começaram então a praticar rituais ainda mais obscuros enclausurados em seus templos, mesclando rituais sagrados com círculos mágicos de proteção; gestos e gravuras no chão com rezas; incensos místiscos com velas brancas e vermelhas.

No século IX os observadores foram descobertos e sistematicamente executados pela Igreja, embora circule a lenda entre as ordens européias de que houve um traidor não-identificado entre os conselheiros que foi deslumbrado com a visão de se tornar um Ancião às custas da morte de seus companheiros. De uma maneira ou de outra, a perseguição acabou culminando na fuga dos clérigos e magos restantes para a Europa ocidental, onde então se instalaram principalmente nas regiões que hoje correspondem à França e Alemanha. Com o passar do tempo, os silenciosos se tornam mais secretivos que antes e se organizaram de um tal modo que os graduados de nível mais baixo (e conseqüentemente a maioria dos infirmus) não tinham o mesmo acesso aos superiores que outrora estava instaurado na irmandade. Ao contrário de outras ordens arcanas de seu tempo, os silenciosos não intervinham nem mesmo de maneira sutil nos assuntos que poderiam vir a favorecer a própria sobrevivência da congregação, mantendo-se neutros durante quase todas as guerras e cismas, ganhando o apelido de os observadores.

Se a ordem acabou ou ainda existe não se sabe ao certo. Algumas poucas vezes por décadas surgem relatos de que auto-intitulados silenciosos ensinam pequenos truques aos que pagam bem por isto. Todas as ordens restantes entretanto sabem que estas pessoas na verdade são idiotas que estão arriscando seu próprio pescoço sem terem sequer noção disso e que estes “truques” na verdade são conhecimentos de fácil acesso que requerem pouca concentração e prática, não sendo então nenhum dos maiores segredos que os silenciosos conheciam antes.